Pets também podem desenvolver diabetes; saiba como tratar o seu cão ou gato

Da Redação
29 de Novembro de 2018


Tem quem não saiba, mas o diabetes é comum entre os pets. Além de prejudicar a qualidade de vida dos animais, o problema pode reduzir sua longevidade. Segundo a American Veterinary Medical Association (AVMA), a doença aparece mais em bichinhos mais velhos e com sobrepeso, o que ressalta a importância de cuidados preventivos. Dieta nutritiva e exercícios físicos fazem parte do tratamento.

Leia mais
Está online? Empreste o seu computador para minerar bitcoins em prol da causa animal

Agência de modelos pet trabalha para acabar com os maus tratos a animais em produções publicitárias

Além da idade e do sobrepeso, predisposição genética, doenças hormonais, como hipotireoidismo, e uso excessivo de medicamentos a base de corticosteroides podem fazer com que o pet desenvolva o diabetes.  Essa é a opinião da veterinária Silvana Badra, da MSD Saúde Animal.

Os sinais do diabetes costumam ser diferentes em cães e gatos, e nem sempre se manifestam da mesma forma em todos os pets. Mas há alguns sintomas que devem ligar o sinal de alerta do tutor. Consumo excessivo de água, aumento da urina, perda de peso (mesmo em casos em que o animal teve aumento do apetite), infecções recorrentes e olhos embaçados (principalmente nos cães) são alguns deles.

O diagnóstico precoce da doença é importante para aumentar as chances de o animal ter qualidade de vida e maior longevidade. Portanto, ao notar qualquer mudança em seu comportamento, procure um médico veterinário.

Melhores amigos dos humanos, os pets também precisam de cuidados

Tratamento

Assim que diagnosticado, o pet deve passar por uma readaptação na rotina, o que inclui redução de peso por meio de dieta, aumento de atividades físicas, além da aplicação de insulina. O veterinário também pode recomendar mensurações frequentes da glicemia, com amostras de sangue e também a detecção da glicosúria (presença de glicose na urina), com o objetivo de adequar a dose do medicamento.

Os tratamentos costumam ser adaptados a cães e gatos, de acordo com Silvana. Principalmente no que se refere à alimentação. Abaixo, ela lista as principais recomendações a cada um deles:

Cães

– Recomenda-se uma dieta de alto teor de fibras;
– Exercícios físicos diários devem ser praticados, considerando os fatores peso, idade e condições físicas do animal;
– Os tutores devem considerar castrar as cadelas diagnosticadas com diabetes, já que o hormônio produzido pelas fêmeas no cio pode desestabilizar o quadro.

Gatos

– Uma dieta altamente proteica, com baixo índice de carboidrato deve compor a dieta dos felinos diabéticos;
– Exercícios diários são recomendados. Entretanto, pode ser difícil implantá-los na rotina dos gatos. O veterinário poderá ajudar na definição desse cronograma.

© 2017 Todos os direitos reservados - Busca Voluntária - website by: plyn!

Subir