Setembro Amarelo: como a internet e as redes sociais afetam sua saúde mental

Marcella Blass
25 de Setembro de 2019


Crédito: Photo by Ant Rozetsky on Unsplash

A questão da saúde mental ainda é muito associada apenas aos sintomas e ao diagnóstico de transtornos mentais. “Porém, a condição dessa classificação não é tão rasa assim”, diz Milene Rosenthal, psicóloga e co-fundadora da plataforma Telavita. Ela explica que o conceito também está relacionado ao enfrentamento de acontecimentos e problemas diários de maneira consciente, com repertório para lidar com as adversidades da vida de maneira saudável.

Leia mais: 
Setembro Amarelo: conheça a campanha de prevenção ao suicídio e saiba como ajudar
“É preciso falar sobre suicídio”, diz porta-voz do CVV

Instagram oferece apoio a usuários com ansiedade e depressão

Apesar de serem diretamente relacionados à saúde mental, os distúrbios psíquicos sempre foram tratados como tabu. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é o país mais deprimido e ansioso da América Latina e, mesmo assim, esses e outros transtornos continuam a ser vistos como uma fraqueza do indivíduo.

“As pessoas entendem o sofrimento mental como vergonhoso, uma falha”, diz Danyella de Melo Santos, psicóloga e professora da pós-graduação da Universidade Anhembi Morumbi. Ela conta que é muito comum ouvir pacientes dizendo frases como “é culpa minha que eu estou deprimido”. Muitos acreditam que os problemas psicológicos devem ser resolvidos sem ajuda. “Mas quando a gente tem um infarto não tentamos resolver sozinhos.”

Tudo bem não estar bem 

Ao longo dos últimos anos, com o avanço da tecnologia e da internet, a saúde mental está cada vez mais em xeque. “A internet e as redes sociais quebraram muros físicos, permitindo que julgamentos e agressões psicológicas estejam a um clique de distância”, destaca Milene.

Outro ponto de grande impacto à saúde mental é o fenômeno atual dos discursos “motivacionais”. “É como se as pessoas tivessem que estar o tempo todo dispostas, trabalhando, correndo atrás dos seus objetivos. É um discurso constante de que ‘tudo vai dar certo’. Só que isso tende ao exagero e não dá espaço para as pessoas ficarem tristes também.” Sentimento que é super natural e necessário.

As redes sociais são um espaço aberto para as pessoas expressarem suas opiniões, boas ou ruins. Para Milene, o contato direto com todo esse conteúdo, somado do discurso insistente do “tudo vai dar certo”, pode ser prejudicial às pessoas emocionalmente abaladas. E a combinação pode intensificar os gatilhos de transtornos psicológicos.

Ilusão de vida perfeita 

A professora da pós-graduação em Psicologia da Universidade Anhembi Morumbi comenta que o hábito de se comparar com os outro é natural do ser humano. “O que é novo é o uso das telas, que amplificam e dão uma dimensão massificada desse contexto”, diz Danyella. “Quando eu era criança, não existiam redes sociais, mas eu me comparava com a vizinha, com a garota mais popular da escola…”

Com o turbilhão de informação por todos os cantos da internet, muitas pessoas se apegam a uma realidade fora de sua condição real. “A ilusão de vida perfeita pode despertar um sentimento de frustração em quem não consegue ter aquele estilo de vida, o que causa sofrimento e impacto na saúde mental”, explica Milene.

Nas redes sociais, principalmente as focadas em imagem, como o Instagram, os usuários se dedicam a postar apenas os grandes momento da vida – com os melhores filtros. Mesmo que você saiba que essa não é toda a verdade do dia a dia daquela pessoa ou celebridade, seu lado irracional tende a acreditar que essas imagens perfeitas são a única realidade.

Aí, é como se todos os seus amigos e conhecidos estivessem felizes, viajando, trabalhando no emprego dos sonhos, se divertindo, e você não estivesse saindo do lugar. Mas calma, porque você não está sozinho.

Uma pesquisa do App Rating, em parceria com o aplicativo Moments, mostrou como alguns apps deixam as pessoas infelizes. Os dados coletados de 200 mil usuários mostraram que 51% se sentem infelizes no Instagram, 64% no Facebook e 56% no Tinder. As análises mostram também que os internautas passam 26 minutos felizes e 54 minutos tristes no Instagram. No Facebook, esse número é de 22 e 59 minutos, respectivamente.

Acolhimento digital 

Por outro lado, com o avanço da tecnologia e da internet, a saúde mental e seus distúrbios têm sido mais discutidos. “A web tem potencial para ser um excelente ambiente de promoção da saúde mental. Isso porque pessoas com os mesmos problemas podem trocar informações e dividir suas dúvidas, angústias, medos e alegrias”, destaca Maria Cristina Ferrari, médica do Departamento de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP.

As redes sociais são lar de uma série de grupos e páginas focados em acolhimento saudável e promoção do autocuidado. “Por lá, informações e orientações realmente relevantes são publicadas diariamente com o objetivo de conscientizar e trazer à população maior conhecimento sobre transtornos mentais e a promoção da saúde mental”, diz Milene.

Ao mesmo tempo, influenciadores digitais têm assumido a missão de conscientizar seu público sobre a existência dos transtornos mentais. O caso mais recente é o do humorista Whindersson Nunes, que veio a público falar sobre depressão e a importância de buscar ajuda.

“Estudos também comprovam que, com a junção de tecnologia e internet, podemos conectar pacientes e especialistas de maneira mais eficiente – e com a mesma segurança de um consultório presencial”, destaca Milene. As consultas por Skype, por exemplo, têm ficado cada vez mais populares e acessíveis.

De olho nessa tendência, Milene e seus sócios Andy Brookas e Lucas Arthur de Souza fundaram a Telavita: um marktplace de saúde que conecta profissionais de psicologia a pacientes em todo o País. Na prática, é só se cadastrar na plataforma, escolher a especialidade e encontrar os especialistas mais indicados para o caso. No dia e horário marcados, os dois se encontram na sala de atendimento virtual para iniciar a consulta.

A tecnologia e a internet também amplificaram o trabalho do Centro de Valorização da Vida (CVV), uma rede de apoio emocional e prevenção do suicídio disponível 24 horas todos os dias. Além do número de telefone gratuito 188, pessoas em sofrimento podem encontrar em contato com os voluntários por meio de chat e e-mail.

Sempre busque ajuda 

Mesmo que a internet e entidades como o CVV tenham um grande impacto no que diz respeito ao acolhimento, é imprescindível buscar a ajuda de um profissional realmente capacitado. “Quando algo parece não ir bem, é importante procurar um psicólogo ou psiquiatra. Quanto mais cedo se começa o tratamento, melhor será a chance de se obter um bom resultado”, diz Maria.

Esses especialistas têm anos de estudos e prática para chegar em um diagnóstico e desenvolver um caminho para a estabilidade emocional, maior percepção de si e o controle de sintomas fisiológicos. “Mas cuidar da saúde mental deveria ser um hábito de todos, não só de quem possui transtornos”, diz Milene. Isso porque o autoconhecimento é peça-chave para a organização da vida e a manutenção geral da saúde mental.

© 2017 Todos os direitos reservados - Busca Voluntária - website by: plyn!

Subir