Categorias

Projeto instala comedouros para animais de rua no Rio de Janeiro

Da Redação
26 de Maio de 2021


Crédito: Imagem de LUM3N por Pixabay
Projeto instala comedouros para animais de rua no Rio de Janeiro

Um projeto inovador, realizado no Rio de Janeiro, começou a instalar bebedouros e comedouros para animais de rua. A iniciativa é da Casa dos Direitos da Baixada (CDB), ONG que atua há mais de 10 anos pela proteção aos animais, e da empresa de assistência funerária Riopae.

Leia mais: 45 perfis de gatos fofos para seguir no Instagram
Conheça o Cabelo Manero, turbante com peruca criado para pessoas com câncer

Em maio, foram instalados 10 bebedouros e comedouros para animais de rua em São João de Meriti – em especial, em ruas do centro de Vilar dos Teles e nos bairros Trio de Ouro, Jardim Noya, Jardim Botânico, Jardim Meriti e na região central da cidade.

Nos próximos dias, as instalações de bebedouros e comedouros para animais de rua chegarão a mais dois bairros de Belford Roxo, município vizinho de São João de Meriti. São eles: Jardim Redentor e Jardim Glaucia.

O projeto segue em expansão para que, nos próximos meses, os comedouros e bebedouros cheguem a outras cidades da baixada, na capital do Rio de Janeiro e nos municípios da Região dos Lagos.

Os bebedouros e comedouros para animais de rua são canos de PVC adaptados para serem recipientes de ração e água, com adesivos dos parceiros no projeto. Ao lado são afixadas placas com explicação da funcionalidade e de que forma a população pode contribuir para ajudar a alimentar cães e gatos.

Os comedouros serão abastecidos em dias alternados por voluntários da CDB.

Adoção e abandono de animais na pandemia

De acordo com Angélica Oliveira, fundadora da Casa dos Direitos da Baixada, a ONG fez um levantamento informal dos números de adoções e abandonos durante a pandemia. “Constatamos que, no início, em 2020, houve um aumento de 31,5% de adoções em São João de Meriti. Porém, no decorrer da pandemia, o abandono de animais cresceu 39,5%”, explica.

Hoje, a Casa dos Direitos da Baixada tem 39 pets para adoção. 11 estão na ONG. Os demais, em lares temporários, com protetores parceiros.

Segundo levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o número de animais abandonados no Rio de Janeiro durante a pandemia subiu 40%, chegando a 1,3 milhão.

De acordo com dados da Secretaria Municipal de Defesa e Proteção dos Animais do Rio de Janeiro (SMDPA), somente no Abrigo Municipal do RJ, Fazenda Modelo, há 950 pets, entre cães e gatos, aguardando um lar. Em 2020, foram adotados 265. Até abril deste ano, 131.

A secretaria projeta que até o final do ano serão mais de mil adoções. Nesse mesmo período, foram realizadas 46 mil castrações. Enquanto os eventos estavam proibidos, a Secretaria criou o programa Entrega Pet, para divulgar a adoção nas redes sociais, em conjunto com as ONGS parceiras.

A Riopae incluiu a defesa animal entre as suas ações de responsabilidade social, na Baixada Fluminense. A questão dos animais de estimação sempre esteve presente na companhia que, além de serviços em vida e pós-morte para pessoas, oferece planos de assistência pet, em que gatos e cachorros até 70 kg também recebem atendimento para remoção e cremação em caso de morte.

“Pretendemos expandir as ações de combate aos maus-tratos, adoção consciente, cuidados com pets e parcerias com ONGS e empresas fabricantes de rações”, diz , afirma Vinícius Chaves Mello, diretor executivo da Riopae. “A ideia é também disponibilizar serviços de saúde por meio das clínicas veterinárias parceiras com cirurgias e castrações gratuitas.”

Outra iniciativa da Riopae a favor dos animais é a intermediação dos pets disponíveis nos lares temporários e apoio às instituições, que atuam na divulgação da adoção. Esse é um dos trabalhos feitos pela VEMCER, associação sem fins lucrativos que promove eventos e feiras de doação.

A Riopae divulga os pets em suas redes sociais, oferece cestas básicas para os protetores dos lares temporários e ajuda financeira para as necessidades advindas da pandemia.

“Por conta da Covid, os eventos abertos ao público foram proibidos e todo esse trabalho ficou restrito às redes sociais”, conta Tatiana Figueiredo, fundadora da VEMCER. “Então, a Riopae começou a intermediar essas adoções e divulgar nas redes sociais da marca, com o objetivo de ampliar a divulgação, mesmo com a retomada dos eventos presenciais.”

Baixo, veja a imagem dos bebedouros e comedouros para animais de rua e alguns animais resgatados pela Casa dos Direitos da Baixada (CDB).

 

  • Eis os bebedouros e comedouros para animais de rua

 

© 2021 Todos os direitos reservados - Busca Voluntária - website by: plyn!

Subir